VisualizaçãoArquivo de AtasPágina Inicial

ATA DA NONA REUNIÃO ORDINÁRIA DO EXERCÍCIO 2016 DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS DO IPMI

Publicado em 11 Outubro, 2016

Ata da nona reunião ordinária do exercício 2016 do Comitê de Investimentos do Instituto de Previdência Municipal de Itapeva. Aos 11 dias do mês de outubro de 2016, realizou-se a reunião ordinária do Comitê de Investimentos, estando presentes os membros Walter Lázaro dos Santos, Flávio Eduardo Mariosi da Silva e Eduardo Yamaya, abaixo assinados. Dando início aos trabalhos, procedeu-se a assinatura da ata da reunião anterior, sendo em seguida colocada em votação e aprovado por todos os presentes. Na sequência, foi apresentado o Relatório de Investimentos da competência setembro de 2016, o qual traz o valor de R$ 106.464.673,39 na carteira consolidada e retorno de 1,36% ante a uma meta de 0,56%. PERSPECTIVAS: Depois de ter mantido inalteradas as taxas de juros em sua reunião de setembro, aumentou a possibilidade da elevação dos juros nos EUA. O mercado internacional estará focado na próxima reunião do FED no dia 2 de novembro e nas eleições americanas no dia 8 seguinte. A eleição de Donald Trump seria um evento absolutamente inesperado e indesejado pelo mercado financeiro, cujas reações adversas seriam imprevisíveis. MERCADO NACIONAL: Para o mercado local, o fato de maior importância será a aprovação da PEC 241, que estabelece um teto para os gastos públicos federais, a melhor forma de ajuste fiscal, por ser gradual e por talvez dispensar a necessidade do aumento de impostos. Para os economistas, o ajuste fiscal poderia levar o país a uma queda duradoura das taxas de juros. Depois da boa surpresa com a inflação de setembro, que atingiu o menor patamar para o mês desde 1989, o presidente do Banco Central afirmou que é preciso serenidade, já que há muito ainda a ser feito para a recuperação de nossa economia. Em outubro, o Copom irá se reunir novamente. RECOMENDAÇÕES: Isto posto, o Comitê de Investimentos recomenda aplicações com exposições aos vértices mais longos, em até 40% da carteira total, como o IMA GERAL, IMA B e IMA B 5+, pois são alternativas mais oportunas em um cenário de juros de mercado e inflação decrescentes. Considerando, que, mesmo com aportes nesses vértices mais longos ocorridos nos 2 últimos meses, temos 24,97% do total da carteira, opinamos por diminuir os recursos aplicados em fundos de vértices curtos como o CDI para alocá-los em fundos de investimento que contenham títulos públicos com maior prêmio, isto é, aproveitar oportunidades através da abertura das taxas de remuneração das NTN´B negociadas nos mercados financeiros através do sistema SELIC. Neste sentido, os fundos CAIXA BRASIL REFERENCIADO DI, com R$ 7,3 milhões, CAIXA MEGA FI REFERENCIADO DI, com R$ 1,1 milhões e BRADESCO PREMIUM DI, com R$ 1,3 milhões, que contem também a presença de ativos de crédito privado na composição de suas carteiras, são de baixa rentabilidade e de maior risco de crédito em relação aos fundos cujas carteiras são compostas exclusivamente por títulos públicos federais. Sugerimos resgatar o total dos recursos destes fundos e sua realocação em fundos das mesmas instituições financeiras gestoras, com carteiras compostas por títulos públicos federais e que busquem o benchmarking de IMA B, IMA B5, IMA GERAL e/ou IMA B5+. Também sugerimos a realocação dos recursos dos fundos BRADESCO INSTITUTICIONAL IMA GERAL FIC RF e BB IMA B FI RF PREVIDENCIARIO em fundos que contenham exclusivamente títulos públicos federais, nas mesmas instituições e nos mesmos benchmarkings. Por fim, entendemos que a realocação imediata dos fundos BB IRF M 1 TP FIC RF, com R$ 17,1 milhões e CAIXA BRASIL IRF M 1 TP FI RF, com R$ 7,6 milhões, deve ser aguardado e programado para os próximos 2 meses, se o cenário político, econômico e fiscal confirmar a expectativa de queda da inflação, encaminhamento da PEC do Teto de Gastos e queda dos juros. Também deverá ser acompanhada com atenção o desfecho da eleição norte-americana para que essa sugestão seja executada, paulatinamente, pelo IPMI. Finalizando a reunião, o superintendente reforçou aos membros sobre o próximo encontro, e nada mais havendo a ser tratado, fez os agradecimentos com as cautelas de praxe, dando por encerrada a reunião às 11h55min. Eu, Fabrício Santos de Matos, Diretor de Benefícios, lavrei a presente ata, que, após lida e aprovada, segue assinada por mim e por todos os membros participantes desta sessão.


Walter Lázaro dos Santos

Eduardo Yamaya

Flávio Eduardo Mariosi da Silva